Arquivo da tag: Van Morrison

Os Incríveis Anos 70 VII: Van Morrison – Moondance (1970)

Corria o ano de 1971; neste ano se mudou-se, para o meu prédio, um rapaz, adolescente, como nós, que estava de volta a Belo Horizonte, depois de ter morado fora do Brasil. O mais interessante, pelo menos para mim, foi que na sua bagagem ele trouxe vários LPs, que não haviam sido lançados no Brasil. Logo de cara me apaixonei por um som diferente de tudo que eu já havia escutado – meio rock, meio blues, meio jazz, cantado numa voz rouca, com sotaque irlandês (aqueles que não por acaso são chamados de os negros da Europa) –  o bardo Van Morrison e seu alucinótico  Moondance, simplesmente um dos melhores discos de música pop de todos os tempos. Desde então, comprei e acompanhei tudo que Van Morrison fez. Falta apenas realizar um sonho – assistir um show dele ao vivo. Como ele não sai mais da sua Irlanda, chegando no máximo até Londres, vou ter que ir até lá, afinal se Maomé não vem à montanha

Deixe um comentário

Arquivado em Moondance, Os Incríveis Anos 70, Van Morrison

Jazz Round Midnight: Van Morrison Magic Time HD BBC Four Sessions (2010)

No nosso primeiro caso de dobradinha – Van Morrison, esteve na Tarde é Blues do nosso blog irmão Sousa’s Blues Blog’n’Roll – e na dúvida se Van Morrison é Blues ou Jazz – resolvemos colocá-lo nas duas postagens de hoje.

Deixe um comentário

Arquivado em Jazz, Jazz Round Midnight, Van Morrison

Favoritos dos Sousa #9 – Van Morrison

 

George Ivan Morrison

(Belfast, Irlanda do Norte, 31 de Agosto, 1945)

é um cantor, compositor e expoente da chamada celtic soul.É  filho único de George Morrison, um estaleiro trabalhador e Violet Stitt Morrison, uma cantora e dançarina amadora na juventude. Van foi exposto à música desde a mais tenra idade, como seu pai, trabalhou em Detroit em uma loja de discos de jazz, blues e country and western.  O gosto musical do pai foi passado a ele, por isso, cresceu ouvindo artistas como Jelly Roll Morton, Ray Charles, Lead Belly e Solomon Burke. Para um artigo da revista Rolling Stone de 2005 declarou “Esses rapazes foram minha inspiração. Se não houvesse aquele tipo de música, eu não poderia fazer o que eu estou fazendo agora.”

Os pais de Van Morrison, observando o interesse pela música do filho, compraram uma guitarra quando ele tinha doze anos de idade. Morrison aprendeu a tocar acordes simples, enquanto estudava a canção em livros. Ele logo formou uma banda chamada Sputniks na escola com amigos. Eles tocaram em alguns dos locais cinemas, e mesmo nessa tenra idade, Van já estava assumindo a liderança do grupo. Aos quatorze anos, ele formou outra banda, Midnight Especial. Quando esta banda rompeu-se ele queria aderir à Thunderbolts, mas desistiu porque sabia apenas tocar guitarra. Depois de pedir ao pai para compra-lhe um saxofone, Van teve aulas de sax tenor e teoria musical com George Cassidy, um professor local, com quem teve aulas por um mês. Em seguida, ingressou na Thunderbolts, tocando nos arredores da cidade.

The Monarchs

Com 17 anos , ele excursionou pela Europa pela primeira vez com  the Monarchs,  rebatizados de  International Monarchs. Na Alemanha a banda gravou um single “, “Boozoo Hully Gully”/”Twingy Baby”, com o nome de  Georgie and The Monarchs. Foi a primeira gravação de Van Morrison, em Novembro de 1963 nos estúdios da  Ariola em Colonia com Morrison no saxophone.

Após o retorno a  Belfast em Novembro de  1963, o grupo foi desfeito e  Morrison junto com  Geordie Sproule passaram a tocar na  the Manhattan Showband, com o guitarristat Herbie Armstrong.

 

De 1964 a 1966 alcançou sucesso internacional com a banda Them (Ronnie Millings, Billy Harrison, Alan Henderson, Eric Wrixon) na qual tocava saxofone e dividia os vocais com Billy Harrison – são desta época os hits: “Baby, Please Don’t Go” (1964), “Here Comes the Night” (1965), and “Mystic Eyes” (1965), “Gloria”. A banda não sobreviveu ao sucesso e às disputas internas e foi desmanchada em 1967.

A partir daí a carreira solo de Morrison foi recheada de sucessos: “Brown Eyed Girl (1967); “Astral Weeks” (1968); Moondance (1970); “Wavelenght” (1980); “TooLong in Exile” (1983); “Down the Road” (2002) e vários registros ao vivo e coletâneas garantiram um lugar de destaque para este grande artista.

Mais um dos Preferidos dos Sousa e que está sempre a tocar na Nossa Vitrola.

Discografia

(1967) Blowin’ Your Mind! (1968) Astral Weeks (1970) Moondance (1970) His Band and the Street Choir (1971) Tupelo Honey (1972) Saint Dominic’s Preview (1973)Hard Nose the Highway (1974) It’s Too Late to Stop Now (1974) Veedon Fleece (1977) A Period of Transition (1978) Wavelength (1979) Into the Music (1980) Common One (1982)Beautiful Vision (1983) Inarticulate Speech of the Heart (1984) Live at the Grand Opera House Belfast (1985) A Sense of Wonder (1986) No Guru, No Method, No Teacher (1987) Poetic Champions Compose (1988) Irish Heartbeat (1989) Avalon Sunset (1990) Enlightenment (1991) Hymns to the Silence (1993) Too Long in Exile (1994) A Night in San Francisco (1995) Days Like This (1996) How Long Has This Been Going On (1996) Tell Me Something: The Songs of Mose Allison (1997) The Healing Game (1999) Back on Top (2000; com Lonnie Donegan) The Skiffle Sessions – Live in Belfast 1998 (2000) You Win Again (2002) Down the Road (2003) What’s Wrong with This Picture? (2005) Magic Time (2006) Pay the Devil (2008) Keep It Simple (2009) Astral Weeks Live at the Hollywood Bowl

VÍDEOS

Vamos começar curtindo o delicioso sucesso do Them (1965)

Depois ao vivo em Montreaux, já bem blues jazz

Ao vivo no Loreley Festival, 9-7-1999, cantando a belíssima “Healing Game”

e ainda:

Deixe um comentário

Arquivado em Diversas, Favoritos dos Sousa, Van Morrison

Tocou no meu IPOD

Confesso que esta coluna anda um pouco sumida, apesar de ser férias de janeiro o tempo anda escasso até para escutar uma boa música. Mas aproveitando minha folga neste fim de semana pude colocar os ouvidos em dia, e encontrei coisa boa!

Eu tenho o irritante e divertido hábito de usar o shuffle para ouvir música. Sabe-se lá porque, acho que gosto de tanta coisa que sinto que prejudico os outros artistas quando escolho somente um para escutar (por mais que eu concorde que isso as vezes seja necessário). Bom, ontem no shuffle tive uma surpresa, mas boa. Eu não sou muito fã de Van Morrison, mas graças a trilha sonora de Wonder Years (ou anos incríveis para os fracos ;)) ele surgiu no meu IPOD com a deliciosa “Brown Eyed Girl”.

Para quem não conhece, Van Morrison é irlandês, e canta um estilo musical chamado de “Celtic Soul” algo como Soul dos Celtas. Por não ser um cara muito frequente nas mídias populares, como TV e rádio, muitos o desconhecem, ou então conhecem pouco sobre ele (posso me incluir um pouco neste grupo), porém um músico que lança discos desde 1967 até o último agora em 2009 merece o nosso respaldo musical. Vale a pena ao menos tentar ouvir.

“Brown Eyed Girl” é um sucesso de seu primeiro LP “Blowin’ Your Mind”, que logo quando lançada chegou ao nº 10 das paradas da Billboard (cá entre nós uma subida de sucesso para um cantor irlandês em paradas americanas!). Considerada a marca da carreira de Van Morrison, “Brown Eyed Girl” é tocada até hoje, não em rádios de sucessos pop, mas naquelas que tocam um pouco de tudo, foi também tão regravada por outros músicos que foi adicionada, em 2007, a “calçada da fama” do Grammy (ou Grammy Hall of Fame).

O próprio Van Morrisson não acha que esta é uma de suas melhores composições (talvez por não receber os royalities da música devido a um acordo mal feito com sua gravadora na época, a Bang Records), afirmando com suas palavras “It’s not one of my best. I mean I’ve got about 300 songs that I think are better” (não é das minhas melhores. Quer dizer, eu tenho cerca de 300 músicas que acho que são melhores).

Ele pode não achar, mas eu acho que é um sucesso e uma delícia de ouvir. Tirem suas próprias conclusões com o vídeo abaixo!

1 comentário

Arquivado em Favoritos dos Sousa, Van Morrison